Prefeitura e Comdi apresentam Diagnóstico Social da População Idosa de Joinville

Foi apresentado nesta segunda-feira (4), o Diagnóstico Social da População Idosa de Joinville. A pesquisa foi idealizada pelo Conselho Municipal dos Direitos do Idoso (Comdi), com realização da empresa Painel Pesquisas e Consultoria e apoio da Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Assistência Social.

Publicidade

O Diagnóstico Social da População Idosa de Joinville é dividido em quatro volumes, que juntos englobam mais de 550 páginas. Foram analisados mais de um milhão de dados, coletados entre 2019 e 2020. A pesquisa de campo foi realizada em 2020 e 2021, e ouviu aproximadamente 1.350 idosos.

Segundo a secretária de Assistência Social, Fabiana Cardozo, o diagnóstico é importante para conhecer a realidade dos idosos em Joinville, balizando as políticas públicas. “Com essa pesquisa, podemos, por exemplo, identificar quais os territórios em que a proteção social se encontra fragilizada ou mesmo seja inexistente, tendo a oportunidade de implementar ações e fortalecer a rede de atenção e apoio à pessoa idosa nessas áreas que se encontram descobertas”, explica Fabiana.

Leia também:  Companhia Águas de Joinville trabalha para consertar rompimento na rede de abastecimento

Levando em conta uma série de indicadores, o diagnóstico aponta que os dois bairros com prioridade de atenção são o Jarivatuba e Morro de Meio.

Para o presidente do Comdi, Milton Américo dos Santos, o Diagnóstico Social da População Idosa de Joinville vai além da sua importância para o poder público.

“Para o público em geral e estudantes, é uma fonte de pesquisa, onde encontrarão detalhes importantes do cenário e de como os dados foram extraídos. Para os idosos, fica o registro das suas necessidades, um pouco das suas histórias de vida e a esperança de dias melhores”, pontua Milton.

A pesquisadora Ermelinda Maria Uber Januário, diretora executiva da Painel, afirma que o diagnóstico dá voz a todos os idosos da cidade. “Parabéns para Joinville por construir um projeto como esse, por olhar para pessoa idosa e enxergar quem são essas pessoas que ajudaram a fazer a história da cidade”, afirma a pesquisadora.

Leia também:  Transporte coletivo de Joinville passa a contar com o Serviço Expresso

O relatório com todos os dados do diagnóstico será publicado no site da Prefeitura de Joinville nas próximas semanas e ficará disponível para consulta.

Alguns dados trazidos pelo diagnóstico:

A população de 60 anos ou mais tem maior concentração no bairro Anita Garibaldi, enquanto o menor percentual municipal está no bairro Ulysses Guimarães.

O Centro de Joinville é o bairro com maior percentual de idosos com ensino superior.

Dos idosos entrevistados, 65,4% informaram que se sentem respeitados, 5,5% informaram que nunca se sentem respeitado e 29,1% que às vezes sente-se respeitado.

Nas entrevistas, 75,4% das mulheres e 24,6% dos homens afirmaram que gostariam de fazer alguma atividade no tempo livre.

Leia também:  Prefeitura de Joinville executa obras na travessa Dr. Norberto Bachmann

O uso de medicamentos de uso contínuo foi relatado por 96,6% das pessoas entrevistadas.

Há 8.871 pessoas idosas com carteira de trabalho assinada, o que representa 19,1% da população idosa joinvilense.

Das pessoas idosas entrevistadas, 87% moram em casa própria.

Em 2019, 1.029 idosos residiam em Instituições de Longa Permanência (ILPIs).

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui