Dengue

Saúde

Médico e Vereador de Joinville Enviam Sugestões ao Executivo para o Enfrentamento da Dengue e Alertam sobre Inconsistências nos Dados

Foto: Mauro Artur Schlieck – CVJ

Joinville, 24 de janeiro de 2024 – O médico e vereador Cassiano Ucker expressou sua preocupação com a atual situação da dengue em Joinville, enviando um ofício nesta sexta-feira ao Prefeito Adriano Silva e à Secretária de Saúde Tânia Eberhard. O documento visa contribuir para o combate ao avanço da doença na cidade.

O ofício destaca a gravidade da situação, mencionando a ocorrência da primeira morte por dengue em janeiro deste ano, enquanto em 2023 o primeiro óbito só foi registrado em março. Ucker ressalta a preocupação diante do recorde de 44 mil casos e 39 vidas perdidas para a dengue em 2023, tornando-se um desafio significativo para o estado.

Cassiano Ucker destaca a importância de contribuições para o plano de enfrentamento da dengue e sugere a criação da Central da Dengue no Ginásio Abel Schulz. Ele enfatiza a amplitude do espaço e a localização central próxima ao terminal de ônibus, facilitando o acesso a moradores de diversas localidades, especialmente aqueles que dependem do transporte coletivo.

Além disso, o médico e vereador aponta inconsistências nos dados apresentados no Painel da Dengue, mencionando uma diminuição no número de casos confirmados entre os dias 12 e 15 de janeiro de 2024. Ucker ressalta a necessidade de transparência, sugerindo informes semanais por parte da Prefeitura para esclarecer a situação e garantir a confiabilidade das informações.

Outra preocupação expressa no ofício diz respeito à distribuição de repelentes. Ucker sugere a distribuição contínua desses produtos para os infectados, visando conter a propagação da doença. O médico reitera a importância de atenção do Executivo para as questões de saúde pública e solicita uma abordagem mais efetiva no enfrentamento da dengue em Joinville.

O vereador destaca ainda a necessidade de acesso facilitado às informações do Plano Joinville Contra a Dengue, pedindo que os níveis e estágios do plano sejam divulgados de forma transparente para que a população esteja ciente do fluxo de atendimento previsto.

Saúde

Secretaria da Saúde confirma mais dois óbitos por dengue em Joinville

Desde o início deste ano, 18 pessoas perderam a vida em função de complicações ocasionadas pela dengue.

A confirmação foi feita após investigação epidemiológica de óbitos ocorrido nos dias 10 e 18 de junho. Tratam-se de uma mulher, de 62 anos, e de um homem, de 87 anos, ambos com histórico de comorbidades, moradores do bairro Boa Vista, que faleceram em hospitais da rede pública.

Denúncia de focos online

Com o objetivo de simplificar e desburocratizar o contato entre a comunidade e a equipe da Vigilância Ambiental, a Prefeitura de Joinville lançou a funcionalidade “Denunciar foco da dengue” no aplicativo Joinville Fácil.

Com esta ferramenta, os joinvilenses podem colaborar com a ação dos agentes de combates a endemias por meio da indicação dos pontos que sirvam de criadouro para o mosquito Aedes aegypti.

Evolução dos casos

Desde o início deste ano, Joinville confirmou 16 mil casos de dengue, além de ter identificado 10,5 mil focos do mosquito Aedes aegypti. Os bairros com mais casos confirmados são Costa e Silva, Iririú, Comasa, Jardim Iririú e Aventureiro.

No site joinville.sc.gov.br/dengue é possível acompanhar os dados atualizados da doença em Joinville, incluindo o detalhamento dos casos confirmados por idade e localização. Também é possível visualizar a localização dos focos do mosquito mapeados pela equipe da Vigilância Ambiental.

Saúde

Prefeitura de Joinville realiza mutirão contra a dengue nos cemitérios municipais

Como destaque na programação estão os mutirões de limpeza que acontecem nos cemitérios públicos.

A atividade iniciou na segunda-feira (9/5), nos Cemitérios Cubatão e Pirabeiraba. Na terça-feira (10/5), a ação ocorre no Cemitério Municipal. Nos dias subsequentes, até sexta-feira (13/5), será realizada nos Cemitérios Nossa Senhora de Fátima, São Sebastião e Dona Francisca.

O trabalho conta com a participação de aproximadamente cem pessoas, incluindo agentes da Vigilância Ambiental, servidores da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, efetivo do 62º Batalhão de Infantaria de Joinville (62 BI) e profissionais da empresa de limpeza terceirizada pela Prefeitura de Joinville.

O Municipal é o maior cemitério de Joinville. Durante a ação, foram removidos 160 sacos de lixo com capacidade de 100 litros cada um apenas neste local. Nos cemitérios Cubatão e Pirabeiraba, foram cerca de 100 sacos ao todo.

De acordo com o coordenador da Vigilância Ambiental de Joinville, Anderson da Silva, o objetivo da ação é eliminar todos os materiais e recipientes que possam acumular água e possibilitar a procriação do mosquito.

“Os cemitérios já são pontos estratégicos que nós visitamos a cada 15 dias. E queremos, mais uma vez, pedir a conscientização da população para que evite as embalagens plásticas das flores e não deixe pratinhos embaixo dos vasos, pois este são pontos com possibilidade de acúmulo de água”, reforça.

Além dos mutirões nos cemitérios, na próxima semana a Vigilância Ambiental de Joinville fará visitas a borracharias, ferros velhos e prédios públicos.

Também vai continuar com as atividades de rotina, como as visitas nas residências, especialmente nos bairros com maior quantidade de focos do mosquito; instalação e acompanhamento de armadilhas; e monitoramento das Estações Disseminadoras, armadilhas implantadas em parceria com a Fiocruz Amazônia.

Números e atenção nas residências

Desde o início deste ano, Joinville confirmou 4,6 mil casos de dengue, além de ter identificado 5,9 mil focos do mosquito Aedes aegypti. Os bairros com mais casos confirmados são Costa e Silva, Iririú, Comasa, Jardim Iririú, e Aventureiro.

De acordo com o Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), realizado pela Vigilância Ambiental de Joinville, 45% dos focos do mosquito ficam localizados em residências.

Por este motivo, é fundamental manter cuidados, como evitar o acúmulo de água em qualquer objeto, acondicionar garrafas com a boca para baixo, colocar areia nos pratos dos vasos, manter as calhas limpas, instalar telas mosquiteiras nas caixas de passagem e observar possíveis bolsões de água em lonas de cobertura.

“Nós orientamos que as pessoas usem, frequentemente, dez minutos do dia para realizar uma vistoria no terreno. Com esse olhar atento do morador, podemos juntos eliminar os locais que têm grande possibilidade de serem criadouros para o mosquito”, conclui Fabiana Almeida, gerente da Vigilância em Saúde da Prefeitura de Joinville.

SegurançaVariedades

Prefeitura de Joinville intensifica ações de combate à dengue

A Secretaria da Saúde de Joinville, por meio da Vigilância Ambiental, prepara uma programação nas próximas semanas nos bairros e cemitérios para eliminar focos do mosquito da dengue.

Agentes da Vigilância Ambiental, integrantes do 62º Batalhão de Infantaria, agentes comunitários de saúde e empresas de limpeza vão participar de diversas ações de combate ao Aedes Aegypti durante todo o mês de maio.

“Depende de todos nós, que a população tenha consciência e que faça parte desse trabalho, de cuidar e eliminar água parada para vencer essa batalha”, destaca o coordenador da Vigilância Ambiental, Anderson da Silva.

Neste sábado (7), a programação vai ser no Costa e Silva, bairro com maior número de pessoas contaminadas com dengue em Joinville.

“Nossa equipe vai visitar as casas para levar esse trabalho de orientação”, explica o coordenador. Estão previstas também ações nos bairros Iririú, Jardim Iririú, Comasa e Aventureiro.

Além disso, outra frente de trabalho vai atuar nos principais cemitérios de Joinville. A ação vai ser entre os dias 9 a 13 de maio. Cada cemitério vai ser dividido entre 8 e 10 quadrantes. Em cada quadrante, de 15 a 20 pessoas atuarão para eliminar tudo que possa acumular água.

No fim de semana do Dia das Mães aumenta a frequência de visitas nos cemitérios em Joinville. A orientação para as pessoas é eliminar objetos que possam acumular água, como os pratinhos de vasos e os suportes usados para acender velas.

Para quem ainda tem dúvidas, o coordenador da Vigilância Ambiental relembra algumas dicas muito importantes para todos.

Em primeiro lugar, é preciso saber os locais que os mosquitos mais gostam de ficar ou procriar são pneus, pratos embaixo dos vasos de plantas, drenos e calhas.

“Todo e qualquer lugar que possa ficar com água limpa, o mosquito vai. Se tiver uma lona na casa e fizer uma poça, o mosquito vai. A orientação é que o cidadão tenha consciência e que, pelo menos uma vez por semana, dê uma volta no quintal da casa para verificar todas essas situações”, explica Anderson.

Também é preciso limpar a calha de duas a três vezes por ano. Quanto aos drenos, é importante colocar uma tela de mosqueteiro para o mosquito não ter acesso.

Trabalho de prevenção o ano todo

Desde o ano passado, a Prefeitura realiza uma ação chamada “Joinville contra a dengue” para reduzir a proliferação do mosquito e, consequentemente, a contaminação da população.

O projeto Detetives da Dengue, um trabalho de conscientização dos estudantes ocorreu em 159 unidades da Rede Municipal de Ensino.

Agentes da Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde fazem varreduras em locais que podem estar servindo de criadouros para o mosquito Aedes aegypt. Em cemitérios, são verificadas caixas sem as tampas, túmulos danificados e vasos de plantas com os pratos embaixo, onde se acumula água. A Vigilância também faz vistorias em prédios públicos.

As ações são realizadas continuamente. É feita a colocação e monitoramento de armadilhas, que têm a função de estimar a quantidade de mosquitos existentes em determinada região.

Quinzenalmente, as equipes da Vigilância Ambiental acompanham pontos estratégicos que incluem estabelecimentos com maior risco de formação de criadouros, tais como borracharias, ferros velhos, cemitérios, lojas de materiais de construção, floriculturas e empresas de jardinagem.

Já nos depósitos que não podem ser eliminados (bocas de lobo, caixas de passagem, entre outros) e que apresentam condições para a proliferação do mosquito, a medida adotada pela Vigilância Ambiental é o tratamento com inseticidas que eliminam larvas e mosquitos adultos.

O tratamento também acontece nos bloqueios de transmissão, realizados nas imediações de locais onde houve confirmação de casos de dengue; em regiões com grande incidência de pessoas doentes; e nos pontos estratégicos.

Ainda com o uso de larvicidas, a Prefeitura de Joinville, em parceria com a Fiocruz – Amazônia, implantou as Estações Disseminadoras, que consistem em armadilhas nas quais o mosquito Aedes aegypti se torna o propagador do produto.

Região

Joinville confirma segundo óbito por dengue em 2022

Trata-se de um homem, de 72 anos, com múltiplas comorbidades, morador do bairro Comasa, que faleceu em 18 de abril, na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital particular da cidade.

A confirmação se deu após investigação epidemiológica, que foi realizada pela equipe técnica da Vigilância Epidemiológica, com base no histórico de saúde e também no prontuário do paciente e nos exames realizados durante o período de hospitalização.

Desde o início deste ano, Joinville confirmou 4,4 mil casos de dengue, além de ter identificado 4,9 mil focos do mosquito Aedes aegypti. Os bairros com mais casos confirmados são Costa e Silva, Iririú, Jardim Iririú, Comasa e Aventureiro.

De acordo com o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), a maior parte dos focos do mosquito estão localizados nas residências. Por este motivo, é fundamental evitar o acúmulo de água, acondicionar garrafas com a boca para baixo, colocar areia nos pratos dos vasos e manter as calhas limpas, por exemplo.

No site joinville.sc.gov.br/dengue é possível acompanhar os dados atualizados da doença em Joinville, incluindo o detalhamento dos casos confirmados por idade e localização. Também é possível visualizar a localização dos focos do mosquito mapeados pela equipe da Vigilância Ambiental.

SaúdeVariedades

10 dicas para eliminar os criadouros do mosquito da dengue em residências

A Vigilância Ambiental de Joinville alerta que as residências são os locais com mais focos do mosquito, conforme apontou o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa). Eliminar os criadouros do inseto em casas e quintais, é a melhor estratégia para evitar essas doenças.

No site da Prefeitura de Joinville, está disponível o modelo de um cartaz com orientações de como erradicar criadouros do mosquito em residências (bit.ly/DicasVistoriaDengueCasas). Como os mosquitos procuram locais com água limpa e parada para depositar os ovos, é preciso seguir as seguintes instruções para realizar vistorias em residências:

1 – Elimine qualquer objeto que possa acumular água, como as partes de garrafas de vidro utilizadas em cima dos muros. Objetos que não podem ser eliminados, devem ser limpos e bem vedados com tampa ou tela de proteção.

2 – Coloque tela de proteção na ponta do ladrão da caixa d’água para que o mosquito não entre pelo orifício e mantenha a caixa d’água com a tampa vedada.

3 – Retire a água acumulada na laje. Mantenha as calhas para água da chuva desentupidas.

4 – Trate a água de piscinas com cloro e limpe-as uma vez por semana. Utilizar uma capa com cobertura não impede os focos do mosquito.

5 – Guarde pneus velhos e outros objetos que possam acumular água em locais secos e abrigados da chuva.

6 – Coloque latas, tampas de garrafas, cascas de ovos e outras embalagens vazias em sacos plásticos bem fechados, antes de descartá-los. Mantenha-os fora do alcance de animais até o recolhimento.

7 – Lave, com escova, os potes de comida e de água dos animais domésticos uma vez por semana, no mínimo.

8 – Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda. Plantas como bromélias acumulam água e por esse motivo merece atenção especial. Troque, semanalmente, a água dos vasos com plantas aquáticas e lave a parte interna do vaso com escova.

9 – Vede a tampa da caixa de passagem com tela de proteção para evitar o acúmulo de água.

10 – Bloqueie o cano de sustentação da antena parabólica para que não acumule água no interior.

Pacientes com sintomas de dengue devem buscar atendimento médico

Os principais sintomas da dengue são manchas vermelhas no corpo, febre alta, dor nas juntas, fortes dores de cabeça e aversão à luz. Em caso de sintomas, procure uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF).

Denúncias de possíveis focos do mosquito podem ser registradas junto à Ouvidoria do município, pelo site joinville.sc.gov.br, ou pelo telefone 156.

Saúde

Joinville registra primeiro óbito por dengue em 2022

Nesta terça-feira (19), a Secretaria da Saúde confirmou o primeiro óbito em decorrência de dengue registrado em Joinville neste ano. Trata-se de um homem, de 65 anos, que morava no bairro Comasa. O óbito foi registrado no início de abril em uma unidade hospitalar. Assim que o caso foi notificado à Vigilância em Saúde, teve início a investigação epidemiológica.

Desde 1º de janeiro de 2022, 1,8 mil casos de dengue foram confirmados em Joinville. Deste total, mais de 30% foram identificados nas últimas três semanas. Por meio do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), ficou evidenciado que a maioria dos focos de dengue estão nas residências.

Em 2021, Joinville registrou 16,4 mil casos de dengue e 5 óbitos. Por meio das ações de acompanhamento e monitoramento realizadas pelos servidores da Vigilância Ambiental, mais de 10 mil focos do mosquito foram eliminados.

Medidas de enfrentamento à dengue

A forma mais efetiva de evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti é evitar água parada em locais como pneus, garrafas e demais recipientes. Medidas simples para a eliminação dos focos nas residências ajudam a garantir a segurança de toda a localidade.

A Prefeitura de Joinville, por meio da Vigilância Ambiental, possui ações permanentes de combate à dengue focadas nas localidades com mais casos confirmados. Este ano, os bairros, Costa e Silva, Iririú e Jardim Iririú registraram o maior número de casos.

Por meio do site joinville.sc.gov.br/dengue, a população pode acompanhar o painel de evolução da dengue em Joinville, bem como materiais informativos e educativos para fortalecer o combate ao mosquito.